quarta-feira, 8 de junho de 2011

Grau 25: Cavaleiro da Serpente de Bronze

É um Grau Bíblico-Templário transmitido por Iniciação. O Grau foi buscar a sua base em dois fatos históricos e religiosos: o primeiro evoca a história relatada em Números 21-6,19; o segundo evoca a primeira Cruzada. Vamos analisar resumidamente os dois fatos. Em fins do século XI os turcos haviam tomado a Cidade Santa de Jerusalém, criando empecilhos para os romeiros que peregrinavam à Terra Santa. Um homem conhecido como
Pedro, o Eremita, percorre a Europa incitando e pregando que os cristãos deveriam pegar as armas para libertar a Terra Santa. Convencido, o papa Urbano II reuniu uma multidão, formando um exército chefiado por Pedro, o Eremita, que, mais entusiasmado que preparado, foi derrotado.
Mas o exército de Pedro, o Eremita, passou a ser o núcleo central da idéia da criação das Cruzadas, que, com o mesmo fim, partiriam da França e da Itália. O nome Cruzada tem origem no fato de que os fiéis utilizavam nas suas vestes uma cruz. Os exércitos cruzados foram comandados pelo Legendário Godofredo de Bulhão, cuja lenda informa que ele alentava os companheiros desanimados e vencidos, orientando-os nos combates, dando-lhes ânimo e entusiasmo e transformando-os em vencedores.
Os Cavaleiros que continuaram a obra de Godofredo de Bulhão fundaram uma sociedade com o título distintivo de Cavaleiros da Serpente de Bronze, que se dedicava à defesa, recepção, assistência e proteção aos peregrinos que visitavam a Terra Santa.
A parte bíblica do Grau de Cavaleiro da Serpente de Bronze tem origem no relato exposto no Livro de Números, Capítulo 21. Num determinado momento da saída do Egito com destino à Terra Prometida, o povo judeu, em face das dificuldades passadas nos 40 anos em que peregrinou pelo deserto, mais de uma vez revoltou-se contra Moisés e o próprio Deus. Numa dessas revoltas, Deus resolveu mandar um castigo em forma de serpentes cujas picadas eram mortais. Com este tormento o povo mais uma vez arrependeu-se e orou. Deus deu então a Moisés instruções para que colocasse numa cruz, em forma de tau, uma serpente de bronze, num local alto e visível e todos os picados pelas serpentes, se olhassem para a cruz, ficariam imediatamente curados.
A serpente é o símbolo da arte de curar. É o símbolo da ciência médica e de toda arte paramédica, como farmácia, odontologia, bioquímica, etc.
A Loja de Cavaleiro da Serpente de Bronze recebe o nome de Corte do Sinai e é decorada em vermelho. Sobre o Trono vê-se um transparente com uma Sarça Ardente e na parte de cima o nome Jeová. No centro da Loja ergue-se uma montanha, tendo em seu cume a cruz em forma de tau com a serpente enroscada.
A câmara recebe iluminação de uma lâmpada colocada por trás do transparente com a sarça. O Presidente, que representa Moisés, não usa Malhete, mas sim Espada, cuja pancada com o punho dá início aos Trabalhos.
Os candidatos ao Grau são repentinamente introduzidos acorrentados na Câmara dos Trabalhos. O Presidente interroga os candidatos nos Graus anteriores, sendo eles absolvidos. Depois são mandados subir no Monte, tarefa que não podem cumprir, pois as correntes atrapalham. Então o Presidente ordena que esfreguem as correntes com ramos de eufórbio, pára que, enferrujando, quebrem-se. O eufórbio é um vegetal que curava as picadas das serpentes. Após a libertação das correntes, o Presidente passa a interrogar os candidatos a respeito do aperfeiçoamento da justiça e do ato de julgar. Na seqüência os Neófitos prestam juramento e os Trabalhos são encerrados.


1 - Ornamentação da Loja do Cavaleiro da Serpente de Bronze

O Templo é decorado de vermelho e representa a Corte do Sinai. No Ocidente ergue-se uma montanha com uma Cruz em forma de tau e com uma serpente enroscada. No Oriente há um transparente, iluminado por trás, tendo desenhado uma Sarça Ardente e sobre ela o nome Jeová. Apenas a luz deste transparente ilumina o Templo.


2 - Mistérios do Grau do Cavaleiro da Serpente de Bronze

PALAVRAS

-SAGRADA - Moisés.

-PASSE - I.N.R.I.

- COBERTA - Johanes Ralp (nome do fundador da Ordem).

SINAIS

- DE ORDEM - Inclinar a cabeça e com o indicador da mão direita apontar um objeto na terra.

- RECONHECIMENTO - Fazer com a mão direita o traçado do sinal-da-cruz sobre o peito.

TOQUE - Colocar-se à direita do interlocutor e tomar-lhe o punho esquerdo com a mão direita.
Em resposta, o interlocutor toma o punho direito do primeiro com a mão direita.

BATERIA - Nove pancadas, dadas por cinco lentas, três rápidas e uma isolada (!!!!!!!!!).

TRABALHO - A corte abre à uma hora e fecha às quatro.


3 - Insígnias do Grau do Cavaleiro da Serpente de Bronze

Avental - Os autores divergem também com relação ao uso de Avental neste Grau. Uns informam que não há Avental. Outros informam que existe um Avental de cetim branco forrado e debruado de vermelho.
Fita - Alguns autores preconizam o uso de uma fita vermelha sobre a qual está bordada a divisa: Virtude e Valor. Outros autores dizem que não se usa fita, mas sim um colar com igual descrição. De um ou de outro pende a Jóia do Grau.
Jóia - Uma serpente enroscada sobre uma Cruz em forma de T.



*
*    *

Nenhum comentário:

Postar um comentário